Tumor de testículo - tamanho não é documento, pode ser problema !


O câncer de testículo é uma doença masculina rara e dados mostram que é discretamente mais comum no testículo direito. Felizmente, os largos saltos no desenvolvimento de medicamentos quimioterápicos colocaram o câncer de testículo na posição de um dos cânceres mais curáveis da atualidade - mesmo em casos com doença à distância (metástases)

FATORES DE RISCO

1- Criptorquidismo (testículo que não desceu para bolsa dentro do período esperado (6 meses de vida)

  • Quem tem o testículo fora do lugar tem de 4 a 6x mais chances de desenvolver a doença maligna.

  • Se o testículo tiver sido operado entre 6 meses à 13 anos de vida esse risco cai pela metade mas mesmo assim ainda é mais elevado do que na população sadia.

  • Testículo fora da bolsa após a puberdade indica a necessidade de retirada cirúrgica do órgão.

2- História familiar

3- História pessoal (quem teve CA de testículo tratado pode desenvolver a doença no outro testículo)

4- Infertilidade

COMO SE APRESENTA ?

A forma mais comum de apresentação da doença é AUMENTO INDOLOR DO VOLUME do testículo. A dor pode estar presente quando o câncer cresce rápido por causa de hemorragias e expansão aguda da “cápsula”. Alguns pacientes relatam histórico de trauma (pancada) no local mas o acidente em si não tem relação com o desenvolvimento da doença. É bem mais provável que o testículo aumentado esteja mais sujeito às pancadas e o desconforto chame a atenção do paciente para o problema.

Em casos mais raros, ocorre metástases para linfonodo abdominais que crescem ao ponto de formarem uma massa visível ou palpável na barriga.

O ATRASO NO DIAGNÓSTICO

Como a doença nasce e cresce silenciosamente, todos os exames investigativos (Ultrassom e exames de sangue) devem ser realizados o mais rápido possível quando o médico suspeita da doença. Algumas vezes o diagnóstico não é claro incialmente e são prescritos antibióticos para uma possível inflamação. Fique atento, é recomendado que, na dúvida, os exames sejam repetidos de 2 a 4 semanas depois.

Infelizmente é muito comum a contribuição do paciente (e até do médico) em subestimar a questão e postergar o diagnóstico do câncer pela insistência no tratamento para infecções/inflamações com antiinflamatórios e antibióticos.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO

Ultrassonografia com doppler da bolsa testicular

É um exame barato, indolor e não invasivo que pode ser realizado muito facilmente e tem extrema importância para avaliação das massas testiculares

Marcadores tumorais (exame de sangue)

1- Gonadotrofina coriônica (hCG) = Dosado nas grávidas pode estar elevado também nos homens com câncer de testículo

2- LDH

3- Alfafetoproteína (AFP)

A dosagem desses marcadores é fundamental quando há suspeita de câncer de testículo !!! Eles podem ou não estar aumentados mesmo em doenças com metástases. Mesmo assim, é importante para estadiamento da doença, análise pré-operatória, acompanhamento pós-operatório e ajudam a definir a necessidade de tratamento complementar (Quimioterapia).

Outros exames de imagem

Dependendo do estadiamento e do nível de suspeição do médico outros exames como tomografias podem ser realizados na busca de doença fora do testículo.

TRATAMENTO

Orquiectomia radical

Consiste na retirada do testículo e do cordão inguinal do lado comprometido pela doença.

Implante de próteses testicular

Em alguns casos é possível o implante de prótese siliconizada para manter a estética local

Congelamento de espermatozóides

Apesar do paciente viver bem apenas com 1 testículo, a fertilidade pode ficar comprometida principalmente se for necessário complementar o tratamento com quimioterapia.

ALGUMAS PERGUNTAS FREQUENTES

1- Vou ficar estéril depois da cirurgia ?

R: É recomendado o congelamento de espermatozóides pois o andamento do tratamento pode não permitir uma resposta clara para essa pergunta.

2- Vou ter que fazer reposição de testosterona ?

R: A principio não. O testículo remanescente geralmente é capaz de manter a produção do hormônio masculino em níveis satisfatórios.

3- Vou ficar brocha?

R: Não tem motivo objetivo para que a disfunção erétil seja uma consequência do tratamento cirúrgico. No entanto, como a subjetividade está intimamente relacionada com a questão, é possível que alguns pacientes se sintam psicologicamente abalados com o tratamento e tenham na disfunção erétil uma das manifestações desse quadro.

4- Posso ter relações sexuais com a minha esposa? Posso transmitir a doença pra ela ?

R: A doença não é transmitida por relação sexual.

--//--

Esse post foi confeccionado por mim seguindo as orientações encontradas em literatura médica urológica (campbell), utilizando conceitos e orientações de artigos em pesquisa (Cochrane) e pesquisa em guidelines (AUA, EAU, SBU). Não é um artigo científico, não tem a pretensão de substituir consulta médica e tem caráter apenas elucidativo para quem busca maiores informações sobre o tema - Daniel Hampl

--//--

Posts Em Destaque
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Telefone

Av das Américas 4666 - Sala 408

Centro Médico II do BarraShopping

CEP 22640-102 - Barra da Tijuca

Rio de Janeiro - Brasil

Celular do consultório

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
DR DANIEL HAMPL
CRM 52.81807-0
Daniel Hampl Whatsapp